Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Arquivos > I Ciclo de estudos em Filosofia: ética, ciência e técnica: problemas atuais

I Ciclo de estudos em Filosofia: ética, ciência e técnica: problemas atuais

CURSO DE EXTENSÃO

        I CICLO DE ESTUDOS EM FILOSOFIA: ética, ciência e técnica: problemas atuais

     O atual desenvolvimento técnico-científico é impulsionado e orientado por interesses econômicos (bélicos ou militares). Como podemos perceber, a ciência e a técnica transformaram as condições materiais de existência do homem contemporâneo; as descobertas científicas e os inventos técnicos modificaram a forma do homem viver, trabalhar, pensar, agir e se comunicar. Artefatos técnicos (máquinas, equipamentos, remédios, venenos, produtos e alimentos transgênicos) promoveram por um lado, o bem-estar humano, assim como aperfeiçoaram as condições materiais da vida humana com a invenção de novos meios e recursos. Por outro lado, o progresso técnico-científico representa uma ameaça para a própria humanidade, porque se tornou um instrumento de guerra (de morte) e de violência, de exploração do homem pelo homem e de exclusão social. Ciência e técnica voltaram-se contra o próprio homem, seu inventor. O poder destrutivo da técnica – consignado na fabricação de armas e de bombas atômicas, assim como a degradação da Natureza perpetrada pelo homem – destruição de recursos naturais, extinção de espécies animais e vegetais, a poluição e contaminação do ar, do solo, das águas e dos alimentos acarretaram o surgimento de inúmeras doenças e desequilíbrios no meio ambiente. Cientistas alertam para o fato de que o homem pode mediante seus poderes técnico-científicos, modificar o clima ou as condições climáticas do planeta. Cooptadas pelo capital, ciência e técnica engendram problemas e conseqüências éticas irreversíveis. A serviço do lucro e não da humanização do homem, o progresso técnico-científico deixa transparecer seu caráter ambivalente e ideológico. A persistência da fome, a ocorrência de doenças letais, o analfabetismo, a desigualdade econômica entre pobres e ricos demonstra per se que o progresso técnico-científico não se faz acompanhar de progresso ou de desenvolvimento humano e social. Comandadas por interesses econômicos e ideológicos, ciência e técnica transformaram-se em instrumentos de dominação – de exclusão e de exploração do ser humano. O que se vê, portanto, é que sob o comando do capital, a ciência e a técnica se convertem em instrumentos de desumanização. As conseqüências imprevisíveis (e irreversíveis) da aplicação da técnica fez com que filósofos se indagassem sobre os limites éticos da ciência (e da tecnologia). Se na Idade Moderna, o surgimento da ciência e da tecnologia prometia libertar o homem das trevas da ignorância, dos preconceitos e das superstições, hoje os rumos do progresso técnico-científico representam uma ameaça (ou um perigo) para o futuro da espécie humana. O poder destrutivo da técnica potencializou as ações de intervenção do homem sobre a Natureza. Persistem, neste sentido, questões éticas (filosóficas) que não podem ser respondidas pela própria ciência. O progresso técnico-científico não é neutro, mas orientado por princípios e valores éticos e epistêmicos. Trata-se, portanto, de identificar os interesses que subjazem o fazer científico. Por isso, resulta necessário indagar: é a ciência um saber neutro? Podem a ciência e a técnica determinar seus próprios fins?  Por que o progresso técnico-científico não pode prescindir da ética? Que valores e princípios éticos a ciência e a técnica negam? É a ética um obstáculo ao avanço técnico-científico? Ou seja, compreender as implicações éticas do avanço técnico-científico, seus impasses e desafios constitui o objetivo central deste evento.

Objetivo geral

Compreender os princípios, os fundamentos e os valores éticos que orientam e determinam o progresso técnico-científico; seus meios e seus fins.

Objetivos específicos:

a)    Analisar as determinantes sociais, políticas, econômicas e ideológicas do atual estágio de desenvolvimento técnico-científico, a fim de compreender os problemas éticos que dele decorrem;

b)    Discutir e problematizar a cooptação da ciência e da técnica pelo sistema capitalista – a transformação da ciência e da técnica em meio de produção, assim como a sua mercantilização, a fim de compreender seus limites, contradições e possibilidades;

Inscrições

Clique Aqui

Inscrições gratuitas

Carga horária para emissão de certificados: 30hs

Coordenador e executor do Projeto de Extensão: Dr. Claudinei Luiz Chitolina.

Programação 

Dia 5/10/2019 – Sábado (das 14:00hs às 18:00hs)

Palestra: A filosofia na idade da ciência e da técnica: a regressão do pensamento crítico.

Dr. Claudinei Luiz Chitolina – Unespar

Dia 19/10/2019 – Sábado (14:00hs às 18:00 horas)

Palestra: Adorno e Horkheimer: a crítica à racionalidade técnica.

Dr. Claudinei Luiz Chitolina – Unespar

Dia 26/10/2019 – Sábado (14:00hs às 18:00 horas)

Palestra: Bioética, poder técnico e biotecnologia: questões e desafios contemporâneos.

Dr. Claudinei Luiz Chitolina- UNESPAR

Dia 23/11/2019–  Sábado (14:00hs às 18:00 horas)

Palestra: Simondon e a natureza dos objetos técnicos.

Dr. Claudinei Luiz Chitolina- UNESPAR

Dia 30/11/2019 - Sábado (14:00hs às 18:00 horas)

Palestra: A crítica de Jonas à civilização tecnológica.

Dr. Claudinei Luiz Chitolina - Unespar

Local da realização: UNESPAR/Campus de Paranavaí.

Público alvo: professores e acadêmicoss da Unespar e da Rede Estadual de Educação e a comunidade em geral de Paranavaí e região.

Dúvidas

E-mail: claudinei.chitolina@pucpr.br