Você está aqui: Página Inicial > Noticias Periodo Eleitoral > 4° ano do curso de serviço social promove roda de conversa sobre cultura indígena

4° ano do curso de serviço social promove roda de conversa sobre cultura indígena

Na última terça-feira(22) o 4º ano do curso de Serviço Social da Unespar Campus Paranavaí, juntamente com Grupo de Pesquisa Gênero, Trabalho e Políticas Públicas, com o apoio do Núcleo de Educação para Relações Étnico-Raciais do Campus, promoveu uma roda de conversa intitulada "Cultura Indígena e os Guardiões da Memória".

No ocorrido, as discussões foram pautadas na necessidade da preservação da memória (história) das vivências da cultura indígena no país e necessidade do respeito aos direitos que lhes são facultados, inclusive pela Constituição Federal de 1988.
O evento foi mediado pela Profª Maria Inez, do Colegiado do curso, e contou com a presença de Jonas Samaúma e os indígenas: Akadjuricha Ka’apor, Christiano Guajajara, Railson Nawa e Cleber Kronun de Almeida, que é aluno da Unespar.

A Profª Maria Inez Conheceu Jonas Samaúma em julho deste ano, em um voo de Salvador a Campinas, no retorno das férias. Conversaram, e a professora ficou impressionada com o moço de uma simplicidade e conhecimento ímpar sobre a vida. Ficou encantada com sua vivência quando leu a capa de uma de suas publicações: “Jonas tem pés fincados na terra, se cura com pajés, se banha nos rios, conversa com plantas e bichos, se aconselha com indígenas, sabe rezar e joga capoeira. O seu sobrenome Samaúma é uma homenagem à árvore rainha da Amazônia, que distribui água para as outras espécies”. Chegaram no aeroporto em Campinas, jantaram, conversaram, houve a negociação para que ele falasse para nós da Unespar, mas Jonas não aceitou fazer isso sem as presenças de indígenas, pois entendeu que só eles poderiam falar a respeito da sua cultura e vida.

Sendo assim, essa terça-feira (22) ficará marcada em nossas memórias. Os participantes tiveram o prazer de aprender e dialogar com Jonas Samaúma e os indígenas: Akadjuricha Ka’apor, Christiano Guajajara, Railson Nawa e Cleber Kronun de Almeida. A Profª Maria Inez entende que “o universo conspira”, pois considera que o evento foi lindo demais.